Publicidade

Sentes coceira anal? Cuidado, pode indicar desde irritação na pele até doenças mais graves.


A coceira na região anal, cuja terminologia médica denomina prurido anal, é uma queixa muito frequente, sendo descrito desde os mais antigos manuscritos médicos. Acredita-se que a rica inervação na região anal e perianal seja a razão para a sensibilidade aos potenciais irritantes locais.
De maneira geral, o prurido tende a ser mais a noite e é mais frequente nos homens. O atrito na região em decorrência da coceira pode causar ferimentos e piorar ainda mais o sintoma. Muitas vezes não há nenhum dano estrutural ou consequência mais grave por trás da coceira anal. Porém, o sintoma pode ser incrivelmente irritante e levar a considerável perda na qualidade de vida.
Embora a coceira anal possa ser causada por doenças específicas, como hemorróidas, fissura anal, constipação, diarreia e diabetes, a maioria dos pacientes não apresenta alterações significativas, excepto as alterações cutâneas. Exemplos de alterações cutâneas que causam prurido anal são:
  • Dermatites alérgicas
  • Micose
  • Seborreia
  • Oxiurose
  • Psoríase
  • Líquen
  • Dermatite actínica
  • Dermatite atrófica ou hipertrófica.
Entretanto, o factor mais comum que resulta em prurido anal é a presença de resíduos de fezes na margem anal e no canal anal, fato esse mais comum naqueles que possuem alterações funcionais no esfínter anal, como hipertonia, hipotonia, dissinergia e contracções paradoxais.
Os sinais de alerta para buscar ajuda médica são sangramento, alteração do hábito intestinal e da forma das fezes, emagrecimento, dor anal ou rectal e a presença de muco ou pus. Caso perceba alterações na forma e consistência da sua região anal, isso também deve levá-lo a ser avaliado por um especialista. Entretanto, algumas medidas podem ser adotadas para aliviar o desconforto antes de o paciente recorrer a avaliação médica:
  • Não use o papel higiénico. Em último caso, use lenços humedecidos sem perfume e sem álcool para higienizar o ânus
  • Passe a lavar-se com água após a evacuação
  • Seque adequadamente a região anal com toalha macia, sem fricção
  • Use roupas íntimas de algodão, evitando tecidos sintéticos
  • Use roupas frescas e arejadas em dias quentes
  • Caso não melhore, procure um médico coloproctologista.
Os melhores resultados a longo prazo são obtidos com as medidas de higiene e mudanças na dieta:

  • Evite café, refrigerantes do tipo cola, leite e derivados, bebidas alcoólicas, tomate e molho de tomate do tipo ketchup, chocolate, castanhas e nozes. Podem ser irritantes locais
  • Não fume
  • Caso constipado ou normal, alimente-se de fibras e água
  • Lave-se com água. Nos casos onde há uma? sujidade? persistente mesmo após a higiene, faz-se necessário irrigar o canal anal com água. Você também pode buscar em farmácias um sabonete específico para a região anal
  • Quando indicados, há tratamentos tópicos a base de corticoides, antimicóticos e cremes cicatrizantes/de barreira.
Em casos intratáveis, pode-se lançar mão da injecção intradérmica de azul de metileno 0,5%, biofeedback e até hipnose. Já as doenças específicas, como hemorróidas, plicomas, ITSs e diabetes, devem ser tratadas caso a caso como tal.

Com tecnologia do Blogger.