Publicidade

8 coisas que todos os pais e mães devem saber sobre o pênis do bebê sem mistérios

O corpo humano é fascinante e sempre há algo novo a ser descoberto. Ainda considerado um tabu para muitos, as caraterísticas das regiões íntimas dos bebês podem causar curiosidades em alguns cuidadores de primeira viagem. Com o menino, por exemplo, as pessoas se assustam quando descobrem que eles podem ter ereção. A seguir, veja outras peculiaridades – algumas normais e outras que pedem atenção.






Bebê com ereção
Com a tecnologia do ultrassom foi possível descobrir que ainda dentro do útero o feto do sexo masculino tem ereção. A característica permanece na vida extrauterina. De acordo com os pediatras, a ação não tem nenhuma relação com a sexualidade e é resposta apenas de estímulos físicos.

Testículos do bebê podem acumular cocô
Embora a higienização do menino seja mais simples do que a da menina, enquanto eles usarem fraldas é importante que os cuidadores estejam atentos ao acúmulo de fezes no saco escrotal. “Normalmente, entram fezes nas rachadurinhas da bolsa escrotal. Então, na hora de limpar, é preciso erguer e olhar direitinho para evitar infecções”, recomenda a pediatra Dra. Flávia Oliveira, de São Paulo.

Ainda de acordo com a especialista, o ideal é que a higienização depois da fralda de cocô seja feita em água corrente, no chuveiro ou até mesmo na pia da torneira, para tornar a limpeza eficiente. Depois, é essencial secar bem para evitar micoses. Na fralda, o pênis pode ficar apontado para cima sem qualquer risco de entortar.

Pelinha na cabeça do pipi do bebê
A imensa maioria dos bebês nasce com a glande (cabeça do pênis) coberta por uma pelinha chamada de prepúcio. De acordo com o pediatra Dr. Ruy do Amaral Pupo Filho, de Santos (SP), essa caraterística é absolutamente normal – casos em que isso não ocorre devem até ser investigados. “Essa pelinha é uma proteção do pênis, que durante os primeiros meses de vida do bebê fica sendo agredido pela fralda”, explica.





Massagem para romper a pelinha não é indicada
No entanto, embora ainda exista a ideia de que é preciso romper o prepúcio ou massagear a região, o pediatra alerta que esta é uma prática não mais utilizada, porque aumenta os riscos de lesão e desenvolvimento de fimose secundária. “O prepúcio descola da glande gradativamente ao longo do primeiro e do segundo ano de vida da criança. A massagem ou o descolamento forçado pode piorar a situação e aumentar a chance de uma cirurgia”, comenta. Isso porque o rompimento da pele pode causar, além de dor, uma lesão na área e, no processo de cicatrização, gerar uma fimose, que necessitará de cirurgia para ser retirada.

O descolamento total do prepúcio ainda pode se dar completamente no início da puberdade e isso não é nenhum problema, de acordo com Dra. Flávia. “Às vezes descola uma parte na infância, quando começa o desfralde, e depois só vai descolar tudo na puberdade, quando ele começar a ter ereção. É normal”, tranquiliza.

Limpeza do pênis deve ser feita no fim do banho


Exatamente para evitar lesões e maiores complicações, o banho em crianças que ainda não tiveram o prepúcio descolado deve contar com alguns cuidados. “A limpeza é feita com água e sabonete normal, mas é importante deixar a região íntima para o final do banho, quando a pele estiver mais molinha, para evitar possíveis machucados”, orienta a pediatra.

O movimento também merece atenção. O ideal é, com os dedos, fazer leves movimentos para baixo para retirar toda a sujeira que possa estar entre o prepúcio e a glande. “Não é para ficar puxando e nem fazendo várias vezes. Duas vezes é o suficiente”, orienta a pediatra.





A criança precisa manipular o prepúcio
No entanto, desde o desfralde, é preciso ensinar o menino a manipular sua genitália e a mantê-la limpa. Quando o prepúcio começar a soltar, é necessário orientá-lo que, na hora de fazer xixi, ele precisa puxar a parte solta. “Quando a criança começa a fazer xixi sozinha, ela tem que ser ensinada que precisa puxar a pelinha para cima porque senão acumula xixi na região e favorece a proliferação de bactérias e possíveis infecções”, recomenda a pediatra.

Bebê com pênis grande demais
Embora o tamanho mude de bebê para bebê, Flávia alerta que se o órgão for grande demais, os pais devem buscar orientação de um pediatra para se certificarem de que a saúde do pequeno está bem. “O pênis grande em exagero tem relação com algumas doenças. Não é o único, mas é um dos sintomas de determinadas patologias”, diz.

Bebê com pênis pequeno demais
O inverso também pode acontecer e, de acordo com Dra. Flávia, não deve gerar preocupação nos pais. “Quando os bebês são mais gordinhos, eles acumulam gordura na pelve e quem olha acha que ele tem um micropênis. Mas, na verdade, ele só está escondido pela gordurinha”, explica.



Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.