Publicidade

Especialistas explicam por quê você não deve colocar essas 4 coisas na sua vagina.

Atualmente, há menos tabus quando o assunto é a saúde das mulheres, especialmente ao falar sobre higiene e cuidados que devem ser dados à vagina para evitar infeções.

Porém, ainda existem muitos mitos populares, vindos de costumes arraigados na sociedade, que envolvem substâncias "tradicionais", mas prejudiciais à zona íntima. A seguir, especialistas explicar por que você nunca deve aplicar 4 substâncias específicas em sua vagina:

Produtos para não colocar na vagina



Limão

O suco de limão é um tópico frequente (e errado) em termos de higiene íntima feminina. Algumas pessoas pensam que ele inibe odores, e os outras vão tão longe, que acreditam que as vitaminas do limão agem de forma semelhante na vagina (ou seja, pensam que é possível evitar infeções e entrada de vírus).

Para acabar com esse mito, a Dra. Christine Mauck, do Instituto Reprodutivo CONRAD, monitorou pacientes que afirmavam usar limão regularmente para lavar a vagina. Algumas pacientes diluíam o suco da fruta com água, mas os resultados foram contundentes: mulheres que usaram a fruta como parte da rotina de higiene íntima apresentaram maior risco de irritação na região, falta de lubrificação natural e algumas feridas internas.

Christine e outros especialistas afirmam, ainda, que o limão interfere no pH natural da vagina, assim como pode provocar assaduras quando as mãos tocam a área para a limpeza, e o quadro pode evoluir para graves úlceras. Para piorar, a fruta não tem propriedades antibióticas que podem agir quando aplicado diretamente na pele.

Óleo de coco

O ginecologista Michael Krychman, diretor do Centro de Medicina Sexual e Sobrevivência da Califórnia, nos Estados Unidos, observou que, embora muitas mulheres acreditem que o óleo de coco seja um lubrificante natural para a vagina, o uso dele tem sido associado a infeções vaginais graves em diversos estudos médicos.

O óleo de coco tem um impacto significativo na atividade antimicrobiana. Isso porque ele diminui o movimento da água através das membranas celulares e acaba interferindo com a produção do muco natural, tendo um efeito oposto com relação ao lubrificante farmacêutico normal. A consequência pode ser um sexo doloroso.

Refrigerante de cola

Algumas pessoas ainda acham que as bebidas à base de cola têm um efeito espermicida ou uma espécie de "limpeza profunda" quando são colocadas na vagina.

Esse tipo de bebida como um alimento já não é muito recomendado. Usando de outras formas, então, a ideia parece péssima. Segundo Christine Mauck, as bebidas à base de cola têm uma composição variada de acordo com a fórmula que cada marca possui. Mas invariavelmente possuem grandes quantidades de açúcar e substâncias químicas que podem estimular a formação de fungos se forem aplicados na vagina.

Perfume

Mesmo se você notar um cheiro forte na vagina, nunca será uma boa opção aplicar perfume na região. Mauck cita que o mau cheiro pode ser um indicador de infeção. Se o cheiro é "insuportável", muitas pacientes optam por "omitir" com perfume, mas a única coisa que se consegue com isso é irritar a área e estimular mais ainda as bactérias.

Os perfumes são altamente irritantes para a pele e o contato com a mucosa vaginal faz com que ela seque, o que também pode causar doença inflamatória pélvica.

A melhor maneira de limpar a sua vagina é usar apenas sabão neutro e água. Em alguns casos, de acordo com o pH, será recomendado pelo ginecologista um sabonete íntimo especial. No mais, cada vagina tem seu cheiro natural e flora, e apenas uma consulta ginecológica será capaz de determinar a melhor maneira de manter a área íntima limpa e saudável.



Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.