Publicidade

Depressão aumenta risco desta condição fatal, esteja atento aos sinais


A incidência de problemas de saúde mental foi associada a uma maior probabilidade de ocorrência de fibrilação atrial, condição esta que provoca o batimento irregular e anormal do coração.

Até muito recentemente os cientistas acreditavam que essa associação se devia ao tipo de medicação antidepressiva comummente prescrita.

O estatístico e líder do estudo Morten Fenger-Gron, docente na Universidade Aarhus, na Dinamarca, disse: “É sabido que há de facto uma ligação entre a mente e o coração”.

“A depressão prediz de certa forma o desenvolvimento de doenças coronárias e piora significativamente o seu prognóstico. A nossa pesquisa pretendia investigar se a depressão está também na origem da fibrilação atrial”.

Esta condição é uma das mais comuns desordens do foro do ritmo cardíaco, sendo que 30% de todos os enfartes sejam provocados pela ocorrência inicial de fibrilação atrial.

Os cientistas observaram 785,254 indivíduos que começaram a ser tratados com antidepressivos entre 2000 e 2013, juntamente com uma amostra aleatória de um quinto da população dinamarquesa.


O risco de desenvolvimento de condições cardíacas foi avaliado um mês antes (período em que se assumia que os voluntários estavam deprimidos, mas ainda não estavam medicados) e após o começo da terapia.

E os especialistas concluíram que os pacientes que tomavam antidepressivos estavam 3,18 vezes mais predispostos a sofrerem de fibrilação atrial durante o primeiro mês do tratamento.

Esse risco tendia a diminuir no ano que se seguia – levando os cientistas a acreditarem que a culpa não é da medicação.
“A diminuição pode inclusive sugerir que o tratamento pode aliviar o risco”, explicou Fenger-Gron.

E acrescentou: “A mensagem para os pacientes que já sofrem de fibrilação atrial é que devem sim ter em atenção a toma de fármacos para tratar a depressão e devem falar com o seu médico sobre o assunto”.

Porém, o especialista e a sua equipa salientam que os fármacos desempenham um papel fundamental no tratamento da depressão.

“Se gostou compartilhe nas suas redes sociais, alguém pode estar precisando dessas dicas!”.



Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.